Os textos deste blog estão sob licença

Creative Commons License

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Dilma e o Irã

O país que Dilma Rousseff assumirá em 1º. de janeiro ocupa uma posição no mundo e tem uma relevância estratégica para a geopolítica global muito diferentes das que ostentava quando o atual presidente tomou posse, oito anos atrás.

Fatores externos - como a intensidade de uma crise financeira gerada no coração do “mundo desenvolvido” – e internos – como a descoberta de enormes reservas de petróleo em solo brasileiro – contribuem para essa nova configuração, mas o fator ativo que a moldou foi a corajosa política externa do governo Lula. Embora caracteristicamente positiva, ela trará em seu bojo grandes desafios para a presidenta eleita.


O legado de Lula
Como reconhecem as principais publicações e autoridades internacionais, uma das principais novidades trazidas pela Presidência de Lula deu-se no âmbito das relações exteriores. Tentativas tímidas de diversificar a política internacional do país para além da órbita norte-americana haviam sido feitas, amiúde, anteriormente – como na aproximação do governo Getúlio Vargas com o nazifascismo ítalo-germânico nos anos 30 ou no acordo nuclear com a Alemanha promovido por Geisel quatro décadas depois -, mas, além de episódicas e pouco efetivas, não se comparam à verdadeira reestruturação estratégica da diplomacia promovida pelo governo que ora se encerra.

Pois, ao recusar o Alca e suas condicionantes limitadoras e reforçar tanto a orientação Sul-Sul das alianças internacionais do país quanto a aproximação com a China e com a Rússia, o atual governo, além de resguardar o Brasil das piores conseqüências da crise econômica originada nos EUA (as quais o México ora amarga com graves efeitos sociais), estabeleceu um parâmetro e um norte para a ação diplomática, os quais, tudo indica, devem ser seguidos e aprofundados pela presidência Dilma.


Tricky questions
A atual configuração, embora mais condizente com um quadro internacional no qual novos atores assomam à cena principal, fazendo com que os EUA percam o protagonismo exclusivo (o que não significa necessariamente o fim do império norte-americano, como alguns precipitadamente apregoam), não deixa de apresentar contradições e situações complicadas, tricky, que não se resolvem através de binarismos definitivos, apoiar ou rejeitar, aliado ou inimigo.

O fato de não restarem dúvidas de que nossa velha mídia adota, rotineiramente, dois pesos e duas medidas para examinar tais contradições – enfatizando o desrespeito pelos direitos humanos no Irã mas fechando os olhos para o massacre israelense contra os palestinos, ou denunciando as prisões arbitrárias promovidas pelo regime cubano enquanto finge esquecer de Guantánamo -, embora reprovável como prática jornalística, não torna o cenário menos contraditório ou os problemas menos reais.

Não é de bom tom, entre setores da esquerda e da militância virtual, lembrar isso, mas a verdade se impõe - e o fato de o Irã, com sua milenar e exuberante herança estético-cultural de ex-Império da Pérsia, ter se tornado presa do autoritarismo religioso mais retrógrado em grande parte graças às barbeiragens interesseiras dos EUA via CIA (notadamente desde a deposição de Mossadegh em 1953), não obstante lamentável, não torna o atual regime dos aiatolás mais palatável.

Pois é simplesmente inaceitável que, em pleno século XXI, mulheres e homossexuais sejam não só são tratados como cidadãos de segunda classe, mas eventualmente submetidos a castigos e penas bárbaros – incluindo chicotadas e morte por apedrejamento. Os Direitos Humanos, os quais a humanidade levou séculos para consagrar na letra da lei, se sobrepõem, axiologicamente, a interesses político-ideológicos e ao anti-americanismo.


Nova diplomacia
A presidenta Dilma já deixou claro, em entrevista ao Washington Post, ser enfaticamente contra as formas repressivas adotadas atualmente no Irã:

“Eu não endosso o apedrejamento. Eu não concordo com práticas que possuem características medievais [quando se trata de] mulheres. Não há nuances; não faço concessões nesse assunto”.
Embora ressaltando a importância de atuar para a construção da paz no Oriente Médio (e criticando abertamente o belicismo norte-americano), Dilma foi além, divergindo do atual governo em relação ao Irã e demonstrando que atuará de outra forma:

“Eu me sentiria desconfortável, como mulher eleita Presidente, não dizendo nada contra o apedrejamento. Minha posição não vai mudar quando eu assumir o cargo. Eu não concordo com a forma em que o Brasil votou [se abstendo de condenar o Irã na ONU, por violação dos direitos humanos]”.
Ainda assim, e levando em conta outras declarações da presidenta eleita em relação ao tema, não parece crível – nem desejável – que a posição de Dilma resulte em uma reorientação substancial dos rumos da política externa no atual governo, mas em um ajuste fino de sintonia, o qual, se bem executado, tende a consolidar a autonomia das relações exteriores do país em relação aos EUA e a melhorar ainda mais a imagem internacional do governo brasileiro – notadamente em influentes setores do ativismo europeu -, recolocando no âmago da discussão a centralidade da questão de gêneros e do respeito aos Direitos Humanos no mundo contemporâneo.


(Imagens retiradas, respectivamente, daqui, dali e dacolá)

domingo, 26 de dezembro de 2010

Governo Dilma: o machismo como arma da mídia

Um dos principais desafios do governo Dilma Rousseff será resistir à artilharia de preconceitos machistas que, com certeza e de forma intermitente, a velha mídia disparará contra a primeira Presidenta eleita do país.

Há dois exemplos próximos que nos permitem dar como certa a adoção de tal estratégia para o jogo de derruba-presidente rotineiramente adotado por nossa partidarizada imprensa: o modo como a própria Dilma foi tratada no período eleitoral (com direito até a um texto tragicômico, de tonalidades lombrosianas, de uma colunista de Época) e, como previu Rodrigo Vianna, o “machismo macabro” que vem sendo praticado pelos jornais argentinos contra Cristina Kichner, notadamente após a morte de seu marido Nestor.

Nesse sentido – e sem entrar no mérito de quem tem ou não razão na briga – é notório que o acirramento da oposição, a níveis aparentemente irreconciliáveis, entre a chamada blogosfera progressista e a blogosfera feminista atende, em última análise, aos interesses da mídia golpista e da direita.

Esta, convém sempre lembrar, ao protagonizar uma das campanhas eleitorais mais baixas de nossa história não desagradou apenas, por razões óbvias, a “blogosfera progressista”, mas, ao não demonstrar o mínimo pudor em apelar para a mistificação religiosa do aborto negligenciou a discussão efetiva de um tema central do feminismo contemporâneo.

Ainda que o tom dos presentes enfrentamentos de parte a parte desautorize, no curto prazo, o vislumbre de uma paz efetiva e da união entre esses setores altamente relevantes da blogosfera, não se pode deixar de apontar que a cisão entre eles tende a ser particularmente deletéria neste momento, pois a batalha pelos corações e mentes da arena pública tende a ser ainda mais intensa no governo Dilma do que no de seu predecessor - até mesmo pela urgência que têm os setores conservadores de desestabilizar o país e evitar o eventual retorno de Lula em 2014.

Em termos institucionais, espera-se que a competente e antenada Helena Chagas à frente da Secretaria de Comunicação seja capaz de interagir melhor com a opinião pública e tornar mais efetiva a difusão das posições governistas, em comparação com o governo anterior.

Mas no âmbito da arena virtual - que tende a se expandir aceleradamente nos próximos anos, com a difusão da banda larga - a busca da convergência e dos pontos em comum entre a blogosfera feminista e os chamados "progressistas", respeitadas as diferenças de visão e de estratégias de ação, seria altamente desejável para elevar o nível das discussões e evitar que confluência entre questões de gênero e política, que deve marcar a proxima Presidência, fique à mercê das manipulações machistas da velha mídia - e da direita à qual ora serve.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O Bem-Amado e o ativismo político-cultural

A adaptação de O Bem-Amado por Guel Arraes não decepciona apenas pelo roteiro frouxo, repetitivo, por atuações demasiado histriônicas e pela tentativa de inserir a narrativa em um contexto histórico inverossímil, mas, sobretudo, por distorçer gravemente a criação de Dias Gomes, ao negligenciar um traço distintivo da obra do dramaturgo baiano: a crítica político-ideológica consistente.

Marco Nanini, na pele do “coronel” Odorico Paraguaçu, e Tonico Pereira, personificando o populista de esquerda Vladimir, substituem o que poderia ser um duelo entre dois grandes atores por um torneio de quem grita mais alto. Às lúbricas saracotices das irmãs Cajazeiras com Odorico é dispensado um tom de chanchada, o qual, somado à superficialidade dos jogos eróticos pudicos, tende a cansar pela repetição. O casal central da trama, formado pelo jornalista Neco Pedreira (Caio Blat) e pela filha de Odorico, Violeta (Maria Flor), não bastasse a chatice de suas coqueterias calienta huevos, é fotografado com uma luz que acentua os tons brancos, dando a suas cenas idílicas a aparência de um comercial de margarina.

Um dos poucos personagens que se salva é o soturno e árido Zeca Diabo de José Wilker: sem chegar a ser, de forma alguma, melhor do que a versão brejeira do personagem quando na pele de Lima Duarte, ao menos é inovador. Já o Dirceu Borboleta de Matheus Nachtergaele é talvez o pior momento da carreira desse ator fenomenal – ainda mais para os que guardam memória da impagável personificação do secretário de Odorico por Emiliano Queiroz, com direito a gagueira e a ar apalermado.

A trilha sonora de Caetano Veloso & cia. é, para dizer o mínimo, preguiçosa – e a canção-tema, dissonante ao extremo, está no rol das mais pobres contribuições do baiano ao cinema. Para compeltar, em termos de tecnologia sonora o filme regride algumas décadas, a uma era pré-desenho de som: com frequência música e falas se contrapõem, indistinguíveis, não há nivelamento máximo ou preenchimento mínimo – de forma que, enquanto os berros de Nanini ardem nos tímpanos, os sussurros de José Wilker são eventualmente inaudíveis -; há ruídos e efeitos em níveis desiguais e às vezes inverossímeis: por vezes é como se estivéssemos ante um daqueles filmes do Jabor dos anos 70...

Salva-se uma direção de arte cuidadosa, com um quê de cinema malasiano nos tons de verde e vermelho e no uso de cortinas à guisa de molduras, resultando em belos interiores para uma Sucupira praiana e em colonial baiano. Mas mesmo nesses ambientes predomina uma certa pasteurização inerente às produções da Globo Filmes, dadas sua modorra narrativa característica, em allegro ma non troppo, e sua linguagem cinematográfica quadrada, mais previsível do que a de uma novela das oito.

Mas tais problemas não são o pior: ao igualar os dois políticos rivais encarnados por Nanini e Tonico Pereira, caracterizando ambos como manipuladores corruptos e velhacos, o filme substitui a crítica mordaz e matizada que o original de Dias Gomes fazia aos dois espectros político-ideológicos – aos quais o autor sobrepunha de maneira clara uma teleologia de valores republicanos, ausente no filme - por um discurso niilista, de descrença na política, de “políticos são todos iguais e não prestam” que é o que há de mais contraproducente para o avanço da democracia no Brasil.


Do CPC para a TV
A geração de Dias Gomes (e de Gianfrancesco Guarnieri e Oduvaldo Viana Filho, o Vianinha) tornou-se exemplar em termos de atuação política no campo cultural. Tendo seu raio de ação dramaticamente reduzido pela censura militar e pelo AI-5, optou por agir nos interstícios da mídia corporativa (leia-se Rede Globo), apostando num reformismo de longo prazo em oposição à inviabilizada revolução.

Tal estratégia acabou por levar à elevação do nível da dramaturgia televisiva e à introdução de temáticas que esgarçavam ao máximo a tolerância, superando em muito os limites que o poder militar e a igreja achavam aceitáveis. Destarte, a história da dramaturgia televisiva brasileira nos anos 70, início dos 80, é de uma dupla queda de braço: no interior da emissora, entre autores engajados e intelectualmente dotados e o sentido corporativo de auto-preservação de seus executivos; nos corredores governistas, entre os primeiros e as instituições religiosas e militares – notadamente a Censura.

O resultado de tais embates, embora inescapavelmente oscilante e imprevisível - muitas vezes negativo - foi mais de uma década de intensa dilatação dos padrões morais e da incisividade da crítica política em plena ditadura. Se, como sugere Roberto Shwarz, o interregno 1964-1967, imediato pós-golpe militar, é, paradoxalmente, marcado pela “hegemonia cultural da esquerda” no campo cultural, os anos de chumbo, ao menos na longa distensão do governo Geisel em diante, marcam um período único na história da TV brasileira, em que produtos como as novelas Gabriela, Saramandaia e O Bem-Amado e séries como Plantão de Polícia, Carga Pesada, Ciranda,Cirandinha e a proibida Amizade Colorida não subestimavam a inteligência do espectador ao mesmo tempo em que esgarçavam os então estreitos limites do permissivo e da representação político-social.

Face à banalidade e ao bom-mocismo que, no último quarto de século, assomou à teledramaturgia global, é difícil acreditar que emissora protagonizou tais avanços, mas ela o fez – e, em grande parte, como resultado de uma ação político-cultural deliberada de agentes culturais egressos dos Centro Populares de Cultura da Une, como os supracitados.

Eu tinha 6 anos quando a novela O Bem-Amado estreou, em 1973, e não me lembro de quase nada (a não ser o que vi depois, em trechos reprisados). Mas recordo perfeitamente da série semanal homônima, que foi ao ar entre 1980 e 1984, com praticamente o mesmo elenco da novela: Paulo Gracindo na performance de sua vida como o prefeito Odorico Paraguaçu, Lima Duarte como um hilário Zeca Diabo, o ator único que é Emiliano Queiroz como o estabanado Dirceu Borboleta, Ida Gomes, Dorinha Duval e a adorável Dirce Migliaccio como as irmãs cajazeiras, o bilioso oposicionista personificado com calculada imperfeição por Lutero Luiz, além de Carlos Eduardo Dolabella como o jornalista escolado e a gostossíssima Fátima Freire como a repórter novata e indignada (suas coxas cruzadas em um episódio em que Zeca Diabo a atacava em um cinema iluminaram meus, como diria Manuel Bandeira, alumbramentos pré-adolescentes).

Cada episódio, baseado nos pequenos contos de Dias Gomes, constituía um rico olhar sociológico sobre os costumes e as relações – sexuais, comerciais, políticas – características do modo de ser do Brasil no período, endereçado principal mas não exclusivamente aos coronéis regionais apoiados pela ditadura, e pleno de crítica bem-humorada e picardia. Para completar, havia a deliciosa e marcante trilha sonora de Toquinho e Vinicius de Moraes. Poucas vezes a televisão foi tão inteligente – e como iguais concebeu e tratou seus telespectadores.

Trata-se, sem sombra de dúvida, de um dos melhores produtos que a TV brasileira já levou ao ar, com um amálgama perfeito entre dramaturgia, humor e crítica política.



Ativismo e blogosfera

Mas o que é importante assinalar, no âmbito deste post, é que o fenômeno O Bem-Amado não constitui uma mera ocorrência histórica, perdida no tempo, mas um exemplo que suscita importantes reflexões sobre ativismo político-cultural e mídia corporativa. E de que forma isso nos diz respeito atualmente? De muitas, creio eu, como pretendo debater nos próximos parágrafos.

Vivemos, atualmente, com o advento da web 2.0 e do admirável mundo novo digital, uma era de profunda crise da mídia corporativa em geral – no que concerne a direitos autorais e de propriedade, controle sobre a veiculação de produtos audiovisuais, porcentagem de ocupação de mercado, mudança de suporte tecnológico, etc. As gravadoras e a imprensa são os dois exemplos mais gritantes, mas de forma alguma os únicos.

No Brasil, particularmente, esse crise estrutural é agravada – na mídia jornalística em especial – por uma questão conteudística: o engajamento político-ideológico de publicações como Veja e Folha de S. Paulo ou dos jornais, programas de rádio e de TV da Rede Globo de forma geral, ao atentar contra pressupostos éticos fundamentais do jornalismo, suscitou a desconfiança e a descrença dos segmentos mais bem-informadas do público.

Em decorrência desse quadro - e de forma mais intensa do que vem acontecendo em outros países -, a ação político-cultural na blogosfera e nas redes sociais, no Brasil, tem sido construída, em larga medida, em oposição a uma mídia estruturalmente em crise e desacreditada – mas, no que concerne particularmente à TV Globo, ainda capaz de uma penetração tentacular em todo o país impensável para qualquer outra modalidade comunicacional.

Em virtude da persistência dessa audiência medida em milhões – em oposição à difusão atomizada e de outra ordem de grandeza, consideravelmente menor, da blogosfera e que tais – é que se recoloca, em um cenário renovado, a questão enfrentada pela geração de Dias Gomes: ignorar a mídia corporativa e combatê-la através de uma guerrilha político-cultural (antes via espetáculos de rua, ora via internet) ou lutar em seu interior pela difusão de contra-discursos que contrariem a hegemonia conservadora/neoliberal?

Não é uma questão fácil de ser respondida, mas, ainda que as brechas das corporações estejam muito mais fechadas aos discursos dissonantes do que no imediato pós-1968, tampouco pode ser simplesmente descartada, como vários blogueiros fazem com desdém. Toda uma corrente de pensadores crê estarmos atravessando uma primavera da comunicação digital, a qual, segundo eles, tende, a médio prazo, a ser absorvida e controlada pelo grande capital via corporações. Esta seria só uma das razões para a manutenção na crença da possibilidade de se penetrar nas estruturas e modificá-las a partir de dentro.

(Imagens retiradas, respectivamente, daqui, dali e dacolá)

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Oportunismo e hipocrisia: o aumento dos parlamentares

O aumento de 62% que os parlamentares federais concederam a si mesmos, elevando seus salários para R$26,7 mil, tem provocado justa revolta na sociedade, não só devido aos números envolvidos, mas ao oportunismo da medida.

Soma-se a isso o fato de o reajuste beneficiar atores políticos que notoriamente trabalham pouco e desfrutam de um sem-número de regalias, enquanto, sempre sujeitos a contingências orçamentárias, os salários dos cidadãos comuns são reajustados a conta-gotas, com aumentos reais que mal cobrem o aumento do custo de vida.


Burocracia e partidos
É fato que a alta burocracia de um país deve ser remunerada de acordo - não só para desestimular a corrupção, mas como forma de atrair os melhores e mais preparados quadros. Porém tal constatação não justifica o caso em questão, e por duas razões.

Primeiro por uma peculiaridade preocupante da democracia brasileira: o custo de eleição de cada parlamentar faz não apenas que a atuação de muitos deles esteja diretamente atrelada aos grupos econômicos que financiam suas campanhas, mas que se mostrem por demais suscetíveis à atuação dos lobbies que agem no Congresso, com tudo que isso implica em corrupção potencial (a qual, por advir da esfera privada, a mídia faz vista grossa).

Segundo, porque tal aumento salarial, referente a servidores públicos e incidindo sobre o orçamento federal, teria obrigatoriamente de ser previamente discutido pela sociedade.


Oportunismo e hipocrisia
Mas nada disso foi levado em conta pela maioria de nossos parlamentares, os quais, como convêm aos dissimuladores, agem ao apagar das luzes do mandato e do ano - quando as atenções do público estão, em sua maioria, voltadas ao hedonismo consumista e ébrio das festas de final de ano.

Não se justifica, no entanto, o esforço da mídia e de setores da internet para debitar o aumento dos parlamentares exclusivamente na conta dos partidos governistas – leia-se PMDB e, sobretudo, PT. Se estes têm, evidentemente, a sua (grande) parcela de culpa - agravada, no caso do Partido dos Trabalhadores, por contrariar a sua posição histórica quanto à questão -, ela deve ser igualmente atribuída ao PSDB, DEM e demais partidos de oposição, que também votaram a favor da medida – com o agravante que a adesão ao mega-aumento contraria de maneira frontal o discurso moralista e “ético” do qual prioritária e rotineiramente se valem para fazer oposição. Não há santos nessa história.

O PSOL foi o único partido a votar contra a medida, acompanhado por parlamentares avulsos de outros partidos, totalizando os 7% de rejeição ao aumento, contra 93% a favor. Mas ninguém abdicou dos vencimentos extras. Ou seja: criticam uma medida impopular com a certeza de que esta seria aprovada por seus pares, saem bem na foto, mas na verdade desfrutam, do mesmo jeito, do aumento imoral.


Ameaças à democracia
Entretanto, o fato de o aumento ser indecente e abusivo não justifica, porém, a campanha que, deflagrada por um dublê de humorista e garoto-propaganda do DEM, se espalha por setores da internet, clamando para que se ponha fogo no Congresso. Trata-se de uma atitude perigosamente irresponsável, que atenta contra os valores da democracia.

Seria, a meu ver, desejável que o povo saísse de seu imobilismo bovino e se mobilizasse contra esse aumento salarial e o que ele significa – mas que o fizesse visando ao aprimoramento institucional da democracia brasileira. Botar fogo em congresso é escancarar a avenida política para o autoritarismo e a corrupção às escuras que promove.

O caminho para reverter os ataques acintosos do Legislativo, do Judiciário e do Executivo ao avanço republicano da democracia no Brasil não comporta atalhos. Ele só se dará através da participação ativa da sociedade na política, em época de eleição ou não. Atitudes irracionais (como defender a destruição do Congresso) ou passivas (como negar a política e votar nulo) só facilitam a ação do que há de mais nocivo e deletério na política nacional.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O supervalorizado "A Rede Social"

Desatento ao lançamento do novo filme de meu ídolo Woody Allen e fisgado pela intensa publicidade do filme, fui ao cinema para ver A Rede Social. Decepção.

O filme tem uma das aberturas mais chatas da história do cinema, um longo e palavroso diálogo, num pub com música alta, entre o universitário e futuro fundador do Facebook Mark Zuckerberg e a garota de quem – como o filme tenta nos fazer crer - gosta. A função desses torturantes minutos é abrir uma brecha, ao final, para o resgate sentimentalóide do protagonista. Tal operação soa particularmente deslocada em um filme que se gaba de ser sóbrio e "profundo" (mas acaba por confirmar a boutade de Linda Williams segundo a qual “Todo filme norte-americano é melodramático”).

Como se sabe, a trama conta como em quatro anos, Zuckerberg, um (com o perdão pelo pleonasmo) geek antisocial que, em pleno inverno, andava de chinelo Rider e meias no campus de Harvard, se torna o mais jovem bilionário da história mundial, no bojo da criação do site Facebook e da disseminação do conceito de rede social na internet. Mas o filme dirigido pelo classudo David Fynch - que tem no currículo filmes cultuados como Clube da Luta, Seven e Zodíaco - está longe de oferecer a essa fantástica estória um tratamento à altura.

Sempre arrastada, a narrativa se divide em dois tempos fílmicos: no primeiro é restituído o processo inicial de concepção, lançamento e expansão do Facebook – para o qual colaboram, inicialmente, ainda em Harvard, o brasileiro de origem judaica Eduardo Saverin (Andrew Garfield) e, posteriormente, na Califórnia, o rival deste, Sean Parker (Justin Timberlake), um dos fundadores do Napster e o um tanto caricato vilão do filme.

No segundo pólo da trama, passado em 2007, são reencenadas, com licenças dramáticas, os processos judiciais movidos pelo preterido Eduardo e pelos gêmeos aristocráticos (e remadores olímpicos pelos EUA) Winklevoss, que teriam, segundo eles, criado o conceito que levou ao Facebook . Diálogos em torno de uma mesa, mediados por advogados. Very boring.

O filme faz uso de elementos propriamente cinematográficos para distinguir passado e “presente”: no primeiro prevalecem uma direção de arte carregada, detalhista, e tons amarelados, marrons e verdes,”esquentados” e iluminados de forma pontual pela direção de fotografia; já os debates de 2007 se dão no ambiente clean de um escritório de advogacia, com a predominância do azul escuro, do metálico e do marrom-madeira, iluminados de forma fria e com pouca textura.

Onipresente, o único quesito que realmente se salva em A Rede Social é o desenho de som, auxilado por uma ótima trilha musical, a cargo de Trent Reznor e Atticus Ross. Toda a narrativa é perpassada por uma vibração sonora pulsante, meio drum’n’bass e algo rascante, com distorções “sujas” – como na canção “Even though” com Norah Jones ou no álbum Homogenic, de Bjork. Isso cria uma atmosfera tensa e, paradoxal e eventualmente, uma sensação de relaxamento e fruição - ou seja, é a cara desta década. Mas, afinal de contas, desenho de som é um quesito cultuado apenas por iniciados ou por acadêmicos que se dedicam ao estudo do som no cinema.

Naturalmente, não é tal "detalhe" que tem sido vendido como o grande atrativo do filme, mas sua sobriedade, sua alegada recusa às fórmulas fáceis de Hollywood em prol da densidade dramática e da profundidade psicológica, seu casting que recusa o star system - como se utilizar-se de atores pouco conhecidos, por si, fosse sinal de qualidade. Porém, comparado ao cinema de arte europeu ou mesmo ao novo cinema argentino, a profundidade psicológica dos personagens de A Rede Social é rasa como um pires.

Essa alegada recusa dos cânones hollywoodianos, somada aos tiques modernóides e açulada por um marketing onipresente, tem se mostrado bem-sucedida em, ao mesmo tempo, dotar o filme de uma aura de grande arte e garantir seu sucesso. A Associação Nacional dos Críticos de Cinema dos EUA acaba de encher A Rede Social de prêmios, incluindo melhor filme, diretor, roteiro adaptado (do livro The Accidental Billionaires, de Bem Mezrich) e, acreditem, ator para Jesse Eisenberg no papel do fundador do Facebook – premiação esta que é, no mínimo, uma idiossincrasia: a atuação dele se limita a fazer uma mesma expressão de nerd enjoado o filme todo, como se o diretor tivesse se limitado a uma única ordem: - “Jesse, faça cara de bunda!”.

Na vida real, Zuckenberg (foto) declarou que o filme está longe de retratá-lo com fidelidade. O pífio resultado ajuda a pensar que talvez ele esteja com a razão.

(Imagens retiradas, respectivamente, daqui, dali e dacolá)

domingo, 5 de dezembro de 2010

Alemão: a panacéia ilusória

O Brasil e sua mídia vivem um daqueles momentos de hipnose coletiva em que a razão dá lugar a sentimentos longamente represados e a catarse se dá nos dedos engatilhados do Exército de Libertação Nacional que ora ocupa o Complexo do Alemão.

Trata-se de um filme já visto e seu final, com a continuação de um estado de coisas estrutural, que não se restringe à “comunidade” x ou ao morro y e portanto não pode ser debelado com a ocupação de um desses lugares, é por demais conhecido. Ainda assim, como convém ao totalitarismo das turbas, que não suportam o contraditório ou o dissonante, aos que ousam desvelar a falsa panacéia cabe o rótulo de defensor de traficantes ou a indefectível acusação de apologia dos “direitos humanos de bandidos”. Nada de novo sob o sol.

Dessa fúria vingativa de “cidadãos inteiramente loucos, com carradas de razão” brota a disposição risonha – mais um “silêncio sorridente” – ante a suspensão temporária dos direitos humanos – para os pobres, como sempre. E exultam ante a “conquista” do Alemão como se da Normandia se tratasse, mas se mantêm calados frente às denúncias cada vez mais frequentes de violência e desmandos policiais contra aqueles cujo único crime é morar, com todo o conforto, nas faixas de Gaza fluminenses: "pobres são como podres".


Política e mídia
A essa visão "customizada" dos direitos humanos, variável conforme estrato social e CEP, acrescenta-se, como hoje em dia não poderia deixar de ser, uma pitada de maniqueísmo político, em que os que ousam criticar a violência policial ou a inutilidade da operação a médio prazo são colocados no index como inimigos da sacrossanta tríade UPP-Sérgio Cabral-Lula.

Nesse cenário, é confortador saber que setores da própria Justiça têm vindo a público protestar contra a violação sistemática da lei que, tal como perpetrada, a invasão do Alemão representa. É o caso da Associação Juízes para a Democracia, que divulgou uma nota significativamente intitulada "À margem da lei todos são marginais".

À mídia (idealmente) caberia – convém sempre lembrar – trazer racionalidade ao debate. Mas, a imprensa que ora temos no Brasil trata-se, sabemos, de um caso perdido. Aliás, o que havia para ser dito sobre seu comportamento no episódio o foi, com brilho, por Sylvia Moretzsohn, no Observatório da Imprensa – e, de qualquer forma, não são tais questões que queremos neste post debater, e sim os processos de manipulação ideológica que nos trouxeram a este estado de coisas.


A culpa do usuário
Um dos discursos mais bem-sucedidos em relação às drogas nos últimos tempos – encampado pela publicidade oficial do Ministério da Saúde durante o governo FHC – é o que afirma serem os usuários os culpados pela violência urbana, já que, com seu hedonismo aloprado, “financiam” o tráfico de drogas. Essa lenga-lenga “pegou”. Só ficou faltando explicar como é que cidades que têm um consumo de drogas per capita muito mais alto do que o Rio de Janeiro - como Londres, Nova Iorque ou mesmo Roma e Paris – não apresentam o cenário deflagrado da Cidade Maravilhosa.

Trata-se de uma amnésia conveniente, da qual a mídia se vale de forma recorrente quando se trata de questões sociais: levar tais fatores em conta significa atentar para o detalhe de que há um enorme contingente de miseráveis – um exército de reserva permanente - pronto para ser cooptado por qualquer migalha para atividades ilegais, sejam o tráfico de drogas, de arma, seqüestros, roubos e/ou que mais der na telha dos elias malucos da vida. - “É a economia, estúpido” -, já decretara um filósofo marqueteiro.

É claro que no mundo colorido das pollyannas tupiniquins não haveria consumo de drogas e, não havendo consumo de drogas, não haveria violência urbana. Só que no mundo real nem uma coisa nem outra vai acontecer. Primeiro, porque seres humanos comprovadamente tomam drogas ao menos desde o Antigo Egito e, ainda mais depois delas terem sido, a partir dos anos 60, incorporadas como elementos da vida contemporânea, não é agora, na sociedade da insatisfação administrada, que vão parar de tomá-las.

Segundo – e certamente mais grave -, porque mesmo na hipótese excêntrica de o sonho poliânico se realizar e ninguém mais fumar maconha ou cheirar cocaína, é pouco provável que o pessoal do tráfico, armado até os dentes, desista do comércio de entorpecentes e passe a ganhar a vida honestamente, vendendo maçãs-do-amor e algodão doce nas ensolaradas praças cariocas – aí é que vão barbarizar para valer, valendo-se de seu arsenal de fuzis e granadas.


Sem panacéias
Isso significa que se deve abdicar do combate ao tráfico de drogas? De forma alguma, pelo contrário. Só que esse é, inescapavelmente, um combate de longo prazo, que requer a combinação articulada e multitudinal de estratégias de conquista de território, de aumento da presença do Estado em áreas periféricas, de dissolução de redes e vínculos criminais, de combate à corrupção policial e de um encaminhamento mais maduro e contemporâneo - e menos moralista e irreal - à questão das drogas, que, no que concerne ao usuário, deve ser tratada como questão de saúde pública.

Mas ilude-se quem quer. A fé sobre-humana na invasão do Alemão como momento redentor da cidadania, não obstante patética, chega a ser comovente como manifestação de neurose coletiva. Porém, como apontou o impoluto Paulo Sérgio Pinheiro em artigo para colecionar, “A batalha no Alemão não vai vencer o crime organizado”. É uma pena. Mas para que isso ocorra é preciso que a razão se sobreponha ao fanatismo.


(Imagem retirada daqui)

domingo, 21 de novembro de 2010

Quem tem medo das questões de gênero?

Parece claro que a eleição de Dilma Roussef à Presidência do Brasil traz consigo uma simbologia positiva para o status da mulher na sociedade brasileira contemporânea, assinalando, talvez, para um melhor equacionamento das questões de gênero no país.

Com uma presidente que, segundo publicações de prestígio como a Forbes e o The Independent, é hoje uma das pessoas mais poderosas do mundo, espera-se não apenas um acréscimo de auto-estima – e talvez de maior disposição para lutar por seus direitos – por parte das mulheres brasileiras mas uma maior atenção governamental às suas demandas.

Entre estas - que incluem uma longa pauta dirigida a questões oriundas da relação entre maternidade/casamento, tais como igualdade de direitos, de volume de trabalho e de oportunidades educacionais e empregatícias – destaca-se a necessidade de equiparação salarial com os homens: enquanto, no mundo, as mulheres recebem uma média salarial de 20% a menos do que os homens, desempenhando a mesma função - o que já é inaceitável -, no Brasil, segundo o IBGE, essa diferença salarial é da ordem de 56%. E não nos esqueçamos que o acesso das mulheres às melhores posições é muito mais restrito do que aos homens.

Mas a mais premente das lutas relacionadas às questões de gênero ainda é o combate à violência contra a mulher. A despeito do avanço representado pela promulgação da “Lei Maria da Penha” – que pune de forma mais severa os agressores -, o quadro no Brasil permanece desolador. Pesquisas internacionais mostram que entre 23 e 27% das mulheres brasileiras estão sujeitas a alguma forma de violência doméstica. Segundo o Ibope, tal modalidade de violência é a preocupação principal de 56% das mulheres brasileiras. Entre as que já foram ou continuam sendo vítimas, 24% alegam não deixar o parceiro por não ter como se sustentar, enquanto 17% temem ser mortas se abandoná-lo.

Ainda assim persiste, no Brasil – mesmo em círculos ditos informados -, um preconceito difuso mas perceptível contra o feminismo e as lutas das mulheres. No caso de homens que defedem tais questões, a reação do patriarcalismo brasileiro é "acusá-los" de homossexualismo ou de submissão - e sinto isso na pele porque, ante o anúncio de que vou ministrar um curso sobre jornalismo e questões de gêneros no próximo semestre, tenho observado reações tão absurdas quanto cômicas, denunciadoras do grau de preconceito de quem as propaga.

Esse tipo de reação, observável à mancheia nossa sociedade, se insere num quadro ideológico que não distingue posicionamento político: enquanto nos estratos conservadores tanto o patrimonialismo como a religião patrocinam a manutenção de uma mentalidade patriarcal, setores da esquerda parecem ainda suscetíveis a uma visão derivada dos anos de hegemonia do velho “partidão”, vendo no enfrentamento das questões de gênero uma forma de divisionismo que prejudicaria a luta por melhores condições sócio-econômicas. Trata-se de uma falsa dicotomia, pois uma e outra esfera são interdependentes.

É notável, nesse sentido, o sucesso das políticas federais de transferência de renda que privilegiam a mulher como a recebedora legal de tais insumos: possuidora, de ordinário, de aguçado instinto maternal de proteção da prole e estatisticamente bem menos suscetível do que o homem a vícios como o jogo, as drogas e o alcoolismo, essas mães convertidas em administradoras assomam a um novo papel social no Brasil contemporâneo, enquanto sua família ascende economicamente.

Trata-se de um indício de avanço, a fornecer esperanças de que, em um espaço curto de tempo, o governo e a sociedade brasileiros consigam disseminar políticas eficazes de combate à violência de gênero e de equiparação efetiva dos direitos de homens e de mulheres.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O que penso sobre o caso Enem

A polêmica sobre o Enem, deflagrada no último final de semana, tem acirrado ânimos de uma forma tal que, seja entre seus críticos ou entre seus defensores, a razão e o bom senso têm sido as principais vítimas.

Um dos argumentos mais repetidos ao longo da polêmica é que, por se tratar de um problema que só teria afetado uma ínfima parcela percentual dos que prestaram o Enem - de 0,04 a 0,06%, a depender da fonte consultada -, a falha seria pouco significante. Trata-se de um argumento tão lógico quanto falacioso. Pois, evidentemente, só é possivel aferir a gravidade de um fato a partir de dados percentuais se se leva em conta a dimensão numérica da amostra. Ou seja, numa classe de aula com 40 alunos, por exemplo, é absolutamente insignificante algo que incida sobre 0,05% da amostra; mas se pensarmos num desastre natural - digamos, um tsunami - que atingisse fatalmente 0,05% da população brasileira, constataríamos que quase 100 mil pessoas morreriam - o que seria, sob qualquer critério, um desastre de enormes proporções, com manchetes no mundo todo.

Como o universo total de prestadores do Enem é da ordem de 10 milhões de jovens, portanto, a priori, não se pode descartar o problema ocorrido no exame apenas com base em dados percentuais.


Insegurança geral
Outro dado importante a se levar em conta é que o dano sequer se limita ao universo de 4,5 mil alunos diretamente prejudicados - pois, como os problemas ocorreram no sábado, primeiro de dois dias de exame, a divulgação de sua ocorrência instaurou um processo de insegurança psicológica que certamente afetou um contingente bem maior de alunos - o que persiste agora, com a incerteza jurídica a respeito de sua validade.

Esses são problemas reais, efetivos e de grande dimensão. Fechar os olhos para isso, atribuindo a reação tão-somente à oposição intransigente e ao PIG malvado, como tantos vêm fazendo na internet, equivale a adotar a tática-avestruz, enterrando a cabeça na terra para não ver nada.

Mesmo porque,em qualquer lugar do mundo, a imprensa "cairia matando" - e com razão - contra um ministério que, pelo segundo ano consecutivo, prejudica milhares de estudantes no momento crucial de se qualificarem para entrar na universidade. Que, no Brasil, a mídia que se confunde com a oposição alcance os trinados de histeria golpísta em relação ao tema é algo a denunciar e refutar, mas não surpreende nem, de modo algum, torna o caso menos grave.


Enem contraria interesses
Por outro lado, é evidente que, como Stanley Burburinho e outros vêm seguidamente argumentando na tuitosfera, é do interesse de diversos setores da elite boicotar e se possível provocar o fim de um exame que reconhecidamente aumentou o grau de democratização do acesso ao ensino superor, convertendo-se em meio de ingresso à universidade para segmentos historicamente segregados. Não se pode, portanto, descartar a hipótese de sabotagem proposital contra o exame - assim, as investigações devem contemplar todas as hipóteses, ainda mais por se tratar de problema reincidente (embora não exatamente da mesma natureza do havido o ano passado).

Ocorre, porém, que justamente pelo montante de interesses contrários que o exame desperta - e por tal possibilidade de sabotagem estar há mais de um ano no horizonte -, o Ministério da Educação tinha por obrigação redobrar a vigilância e assegurar a excelência do Enem. Ao, na prática, não fazê-lo, parece inevitável que o ônus por tal falha recaia sobre o ministro Fernando Haddad.


Questiúncula eleitoral
Chegamos, assim, ao mencionar o nome do até então possivel candidato petista à Prefeitura de São Paulo em 2012, a uma razão agravante não só para a virulência da mídia partidária - em seu eterno jogo de derruba-candidato-lulista -, mas da reação dos setores esquerdistas na internet e fora dela, os quais reavivem o irrespirável clima das eleições presidenciais.

Ora, é preciso uma boa-fé de Pollyanna para acreditar que o caso não provocará efeitos danosos à candidatura do ministro. Quer queira, quer não, mídia, oposição e amplos setores da população do mais conservador estado da federação vão cobrá-lo incessantemente por conta de uma falha reincidente que afeta milhares de alunos - e não serão tags de apoio no Twitter que vão redimi-lo.


Enem sim, incompetência não
Ademais, com exceção do papel eleitoral da imprensa - que deve ser sempre denunciado e combatido -, não se trata de algo que surpreenda: o mesmo se daria, em qualquer país do mundo, com um ministro-candidato que, por dois anos seguidos, se mostrasse incapaz de gerir com competência um exame destinado a selecionar, entre 10 milhões de jovens, aqueles que ingressarão no ensino superior.

Mas a ilusão, esse veneno eleitoral, consome quem quer ser consumido. Como o compromisso desse blog é com o jornalismo e com políticas progressistas - e não com um partido ou com a campanha do candidato x ou y - preferimos manter a cabeça acima da terra: a luta para a manutenção do Enem é primordial e necessária, mas transcende e não deveria se confundir com questiúnculas partidárias nem abrir mão de critérios de excelência na aplicação do exame.

sábado, 30 de outubro de 2010

Ataques a mulheres evidenciam importância das questões de gênero

No Brasil, o debate sobre as questões de gênero continua enfrentando resistência silenciosa mas efetiva, ainda que sua urgência se torne cada vez mais evidente. Só nesta semana foram noticiados – mas não suficientemente debatidos - três graves casos de abuso e discriminação contra mulheres.


Chauvinismo eleitoral
Os dois primeiros vêm, como não poderia deixar de ser, da imunda campanha eleitoral de José Serra. Ao incauto cidadão que atendesse às chamadas do telemarketing tucano - decretado ilegal um tanto tardiamente pelo TSE - era feita a seguinte indagação:

"- Será que a Dilma sem o Lula dá conta?"
Difícil responder, não é mesmo? Afinal, a ditadura não tocou a mão na adolescente Dilma, que desfrutou de um exílio “caviar e champanhe” no exterior, antes de vir ao Brasil e desfalecer ante uma bolinha de papel. Já o bravo guerreiro Serra, com a têmpera dos "machos adultos brancos sempre no comando", não apenas lutou contra o regime de exceção, sendo preso e barbaramente torturado como, em anos recentes, mostrou toda sua fibra máscula ao enfrentar e superar, sem se deixar abater, um câncer linfático.

Como observou Rodrigo Vianna, autor do melhor post sobre o caso, não coincidentemente, na noite da morte de Nestor Kirchner, o Jornal da Globo se dirigiu a seus telespectadores, perguntando:

"- Será que Cristina dá conta de governar, sem o marido?".
O notável, do ponto de vista das questões de gênero, é que a ninguém ocorreu perguntar ao eleitor, em 2002, se Serra conseguiria governar sem FHC... Ou seja, a premissa da campanha serrista – reverberada, amiúde, pela mídia - é de uma incapacidade comparativa da mulher em relação ao homem - a diferença em forma de lacuna.


A mulher como isca
Tal atribuição de valores e competências hierarquizados segundo (des)critérios de gênero foi corroborada pelo tucano ao final da campanha – quando, com a sociedade estupefata com a falta de escrúpulos apresentada por Serra em sua luta pelo poder, ele, após elegiar a beleza das mineiras, literalmente implorou às “menininhas” para que pedissem “a seus “pretendentes para que nele votassem.

Essa inauguração de uma nova modalidade de campanha eleitoral, baseada no sexismo e numa visão das relações entre os jovens que só é novecentista em sua aparência, já que sua essência é caudatária de uma visão mercadológica das relações sexuais. Não à toa, o tucano paulista, prestes a ser varrido para a lata de lixo da história política brasileira, foi “homenageado” no twitter com a tag #serracafetao.


Nova elite machista

Porém, dos três eventos que poblematizaram, recentemente, as questões de gênero, o que mais choca tem ocupado um lugar secundário nas manchetes: trata-se do chamado “rodeio de gordas”, promovido por estudantes da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Assis, interior de São Paulo.

Concebido e praticado como “esporte” por estudantes dessa universidade pública que abriga os filhos das elites paulistas, o "rodeio" consistia em abordar uma mulher acima do peso e, ao seu descuido, montar-lhe em cima, procurando manter-se o maior tempo possível sobre a "montaria", enquanto a esta eram gritadoss impropérios.

Como se tal humilhação não fosse suficiente, os “estudantes”, via de regra, esmeravam-se em apresentar-se de início atenciosos, simulando deixarem-se seduzir pelas mulheres antes de, literalmente, montá-las, fazendo irromper o urro ignorante da satisfação sadista grupal.

O grau de sadismo psicológico a que são submetidas às vítimas de tal ato, agravado pelo fato de os alunos alegarem tratar-se de mera “brincadeira”, suscita uma dupla reflexão: em primeiro lugar, no sentido de como agir para evitar que tamanha bestialidade, violadora de direitos humanos básicos, volte a ter lugar no ambiente universitário brasleiro.

Em segundo, lugar, não é preciso ser nenhum expert em psicanálise para se aperceber de que o “rodeio das gordas” traz em seu bojo a evidência de uma grave patologia social de grupo - assim como, de maneira análoga, os massacres do tipo Columbine em colégios norte-americanos muito nos dizem a respeito das relações entre constituição psicológica do sujeito, repressão e axiologia da sociedade em que vive. E, acima de tupo, que no bojo de ambos os casos, apresentam-se, latentes, os contra-efeitos de uma economia das pulsões da libido desvirtuada de uma vivência propriamente sexual.

Afinal, para ficar em uma simples e única constatação, jovens minimamente sadios buscam satisfazer seus impulsos através de uma sexualidade afirmativa, gozosa, tendo no horizonte a satisfação mútua dos(as) parceiro(as). Já sair por aí “caçando” gente para cavalgar publicamente, montando em suas costas de supetão e a contragosto, é coisa de recalcados, de marginais e de violadores do acordo social - enfim, de desclassificados que não merecem frequentar uma universidade sustentada pelos impostos da coletividade através de impostos.


Os três episódios acima descritos evidenciam que, mesmo calada, recalcada, mantida às sombras, sob o manto enganador do alegado liberalismo comportamental brasileiro, a questão de gêneros tende sempre, entre nós, à irrupção pública, plena de evidente urgência, como o oprimido de que nos fala Freud.


("Passeio", de Debret, retirado daqui)

domingo, 24 de outubro de 2010

Eleições: campanha do ódio ameaça democracia

Nos últimos dias o Brasil voltou a ser manchete na imprensa internacional. Porém, o motivo do interesse por nosso país tem sido bem diverso, agora, do demonstrado meses atrás, quando publicações como El País, The New York Times e Le Monde estampavam, em capa, reconhecimento a um presidente advindo do operariado e promotor de políticas sociais que reestruturaram uma das mais desiguais sociedades do planeta - tirando mais de 30 milhões da pobreza -, além de coordenador do realinhamento estratégico, para além da órbita norte-americana, de um país até então periférico na ordem mundial.

Os olhos da imprensa mundial para o Brasil agora, como de ordinário faziam antes do governo Lula, refletem uma visão negativa do país, expressando ora preocupação com o despudor com que a religião foi e continua sendo explorada eleitoralmente ante temas como aborto e homossexualidade; ora noticiando, de forma jocosa (não poderia ser diferente) o escarcéu que José Serra e Rede Globo armaram em torno de uma bolinha de papel atirada contra o candidato tucano.


O candidato sem programa
Enquanto isso, Serra vai caindo nas pesquisas, mas ainda se mantém em patamares, a meu ver, surpreendentemente altos para um candidato que sequer se preocupou em apresentar um programa de governo, quanto mais condizente e factível, limitando-se a promessas pontuais que até os economistas midiático-tucanos consideram irrealistas.

Não que tal lacuna chegue a surpreender: dos vários eleitores de Serra que conheço – na universidade, nas ruas, ou entre amigos e parentes – nenhum se declara como tal por conta de propostas para o país ou por uma razão ideológica strictu sensu.

No máximo, apresentam uma racionalização – no sentido freudiano do termo, ou seja, uma explicação lógica coerente mas que encobre seus verdadeiros motivos -, ainda assim reativa, acusando o petismo de corrupto ou de promover o “aparelhamento” do Estado. Mas ora, para ficar só no exemplo mais gritante, quem tem em suas hostes Paulo Preto – um sujeito que, segundo a Isto É, não só é acusado de nepotismo e de, segundo os próprios tucanos, ter desviado R$4 milhões, mas que foi preso EM FLAGRANTE como receptor de jóia roubada – não tem moral para falar de corrupção. E, com a filha do receptador tendo sido empregada pelo próprio erra, muito menos de aparelhamento. Portanto, alegar tais motivos como justificativa de voto é incoerente e não cola mais, deixando evidente que a razão de fundo de tal escolha eleitoral não significa adesão a determinada proposta política, mas uma reação ditada pelo ódio de classe contra o lulismo e o seu legado.

Assim, a campanha de Serra é a campanha do ódio porque sua candidatura encarna o sentimento contra Lula e o que ele representa, contra esse novo Brasil em que jovens da periferia vão à universidade, empregadas domésticas andam de carro e a classe D viaja de avião. Presas desse irracionalismo reativo, pouco importa, para as elites e os setores wanna be elite que a sustentam, que a candidatura tucana não seja propositiva. Em outras palavras : o ódio é tamanho que, ante a possibilidade de continuação da inclusão social da Era Lula, preferem passar um cheque em branco a um político sem propostas e que nunca terminou um mandato sequer.


Desrespeito à democracia
Afigura-se extremamente negativo para a democracia tal processo, pois abre mão do contrato social implícito entre eleitor e candidato, consubstanciado em um acordo por meio do qual aquele vota neste em troca do cumprimento, anda que inescapavelmente parcial, de um determinado conteúdo programático pré-estabelecido.

É a essa lógica contratual que seguiu a campanha de Lula em 2002 – prometendo criar 10 milhões de empregos e, ao final, gerando mais de 14 milhões – e, agora, a de Dilma Rousseff. Senão, vejamos: enquanto Serra utiliza o horário eleitoral gratuito não para apresentar projetos, mas para sustentar o ridículo atroz do #bolinhagate, como parte de uma pantomima não menos patética e que vai na contramão dos fatos – vide os comunicados do partido e da candidata nos últimos dias -, segundo a qual “o PT estimula a violência”, Dilma tem, dia após dia, apresentado os itens programáticos de seu projeto de governo: meio ambiente, indústria naval, inclusão digital, entre outros temas específicos.

Por sua vez, após chafurdar na boataria religiosa, ser autuada distribuindo comida em troca de votos e protagonizar o #bolinhagate, a campanha de Serra volta a viver de ataques contra a adversária, municiados pela mídia amiga -esta, descompromissada de uma mínima ética jornalística e ciosa da impunidade, aja como agir. Mandando às favas os escrúpulos – como em um certo dezembro – e sem demonstrar o mínimo apreço pela incipiente democracia brasileira, a qual humilha com o despudor de seus métodos truculentos, o tucano aposta na negatividade para ganhar as eleições. No momento, só não enxerga quem não quer ver que está armando o clima para um confronto físico e público, o qual, seja protagonizado por quem for (mesmo que por um provocador tucano inserido na multidão), a culpa recairá sobre os petistas.


O novo astral da campanha de Dilma
Enquanto Serra, sob o patrocínio da Rede Globo, Veja e congêneres, trava o seu combate nas trevas, parecendo "acreditar que o povo, em toda a parte, é uma entidade incapaz e como tal deve ser tratado" - como afirmou Gilson Caroni Filho em um artigo imperdível -, o país vai de vento em popa: o desemprego é o menor já medido e, enquanto boa parte do mundo vive as agruras da crise, com pesados contra-efeitos sociais, estamos em vias de consolidar, em questão de meses, o maior crescimento econômico em 30 anos - só que, desta vez, com inclusão social. É insano imaginar que o povo de um país possa abrir mão de tal cenário em prol de um aventureiro sem nada a oferecer exceto sua obsessão em se tornar presidente.

Talvez por estarem os eleitores tomando ciência de tal disparate, a campanha petista, após ser levada às cordas no início do segundo turno, passou a reagir ao bombardeio pleno de acusações mas vazio de propostas. Isso se deu de forma mais efetiva a partir do momento em que Dilma, sem abrir mão do viés propositivo, trouxe à baila o caso Paulo Preto, no debate da Band. A partir daí, com um momento culminante no evento com artistas e intelectuais no Teatro Casa Grande (RJ) – que, iconizada na imagem emocionada de Chico Buarque, artista prenhe de significações anti-autoritarismo, lhe conferiu uma respeitabilidade com que Serra não pode nem sonhar - , sua candidatura, vitaminada ainda pelo apoio de personalidades e intelectuais do Brasil e do exterior, tomou prumo.

E se em 2002 a esperança derrotou o medo; agora a verdade vencerá o ódio.


(Fotos retiradas, respectivamente, daqui e daqui.)

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Serra no Jornal Nacional

A entrevista do Jornal Nacional com José Serra, ontem, embora menos leniente do que a realizada no primeiro turno, tornou evidente, uma vez mais, algumas das deficiências técnicas do jornalismo brasileiro.

Pois se há, em graus variados - e ora em profusão -, manipulações e práticas inaceitáveis no jornalismo nacional decorrentes dos interesses das corporações midiáticas, não deixa também de haver outras que derivam de vícios profissionais e de defasagem técnica - se comparadas aos padrões do jornalismo de ponta internacional.

É exemplar nesse sentido o suadouro que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tomou em programas de entrevista anglo-americanos, notadamente no Hard Talk: desacostumado às perguntas frontais e em ser corrigido pelo repórter – este de posse de dados atualizados -, o ex-presidente, habituado a ser tratado como um príncipe pelos jornalistas durante seus dois mandatos, mostrava-se estupefato.

Em entrevistas, duas das habilidades que mais faltam ao jornalismo nativo são:
1) o recurso a dados e fatos como forma de contradizer conteúdos comprovadamente inverídicos da fala do entrevistado;

2)A capacidade de intervir – de forma polida, mas efetiva – na fala do entrevistado de modo a evitar que ele introduza novos temas e descarte o assunto polêmico.

São habilidades que exigem uma equipe profissional e treinada – o que o JN certamente tem – e jornalistas com destreza e genuíno interesse investigativo – o que não é exatamente o caso do casal Bonner ou do jornalismo global de modo geral, manietado que é por uma política editorial tendenciosa.

Apesar de tais limites, a entrevista com o candidato José Serra ontem poderia ter sido um evento jornalístico de alto nível se não acontecessem alguns disparates, tais como deixar de refutar, com dados e fatos, a resposta em que Serra se desvencilha da acusação de ter trazido a questão do aborto à campanha, afirmando que quem o fez foi Dilma (como se esta tivesse algum interesse em levantar o tema).

Quando, em entrevista a um candidato à Presidência, o jornalista se cala ante uma resposta que contraria um fato notório, facilmente atestável pela consulta aos arquivos da emissora, mostra-se leniente, deixando de cumprir sua função precípua de informar a população.

Pois, em tal momento da entrevista, o que um jornalista profissional de alto nível faria seria interromper a fala leviana de Serra e objetar, exibindo nas mãos as fontes da informação: “Mas candidato, nós temos aqui a prova que o senhor foi o primeiro a abordar o tema no dia X, no lugar tal, como o comprovam N registros”.

Mas nem a técnica defasada, nem os interesses corporativos do jornalismo nacional nos permitem desfrutar de um tal profissionalismo.

Resta-nos o padrão Globo de qualidade.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

A campanha nas ruas e na mídia

Durante cada uma das primeiras eleições presidenciais após o fim da ditadura, o país era tomado por uma onda vermelha – em bandeiras, cartazes e faixas, bandeiras; nas praças, nos comícios, nos dias dos debates televisivos, até mesmo, durante a semana, nas ruas centrais das grandes cidades, onde sempre havia uma barraquinha do PT.

Três derrotas seguidas ensinaram ao partido que o entusiasmo aguerrido de sua militância não bastava: era preciso costurar acordos entre os setores de proa da sociedade, investir na conquista da hegemonia no interior dos estratos empresariais, industriais e financeiros. Como se tal projeto implicasse no esvaziamento da mobilização militante popular, já na vitória de Lula em 2002 - não obstante a grande festa popular que a celebrou -, não houve, nos comícios e nos momentos pré-eleições, aquela maré vermelha contagiante.



Círculo vicioso
Embora, nestas eleições, o PT continue produzindo, episodicamente, a cada comício, uma festa espontânea de entusiasmo popular com o qual o candidato tucano - a despeito de seus suspeitíssimos votos que, no mundo real, ninguém sabe de onde vêm -, não pode nem sonhar, criou-se, ainda antes da campanha, uma grande expectativa quanto à mobilização na internet – que foi e é expressiva, mas que claramente evidenciou os seus limites, com a ocorrência de um segundo turno em grande parte devido a ações de sabotagem e boataria nas periferias das grandes cidades.

E a ausência de uma mobilização que se antecipasse e reagisse ante tal fenômeno foi o primeiro grande vacilo da esquerda nestas eleições – mas não o único. Não obstante sua expressiva vitória nos estados e no Legislativo, ela voltou, nestas eleições, a cometer erros históricos.

O mais grave deles, evidentemente, é a sua divisão interna, com Marina Silva - movida por rancores e pelo ego ferido -, se deixando utilizar como massa de manobra pelo conservadorismo, apenas para levar as eleições ao segundo turno, para ser então descartada pela direita como se de um empecilho inútil, um subalterno servil, se tratasse, enquanto o PV de Sirkis e do derrotado Gabeira adere a Serra.


Mídia pauta esquerda
O segundo grande erro da esquerda – que acaba por também resultar em divisão – dá-se na forma de reações, invariavelmente negativas, aos enfoques idem que a - com o perdão do pleonasmo - mídia serrista dedica a Dilma. O caso da boataria anti-religiosa é ilustrativo: a mídia vinha carregando nas tintas na caracterização de Dilma como uma defensora feroz do aborto e do "casamento gay". Tal caracterização visava, obviamente, incendiar as já minadas pontes entre a candidata petista e o voto religioso (seja de setores evangélicos ou do catolicismo mais conservador).

Num gesto político inteligente e conciliador, Dilma se reúne com lideranças religiosas e firma um acordo assegurando que tomará um posicionamento equânime em relações a tais questões polêmicas. A mídia, "naturalmente" (se se considera natural o modus operandi do setor no Brasil, evidentemente), passa a caracterizá-la então como uma traidora da esquerda e, pasmem, uma ameaça ao estado laico. Até aí, noves fora nossa imprensa parcial, é o jogo jogado. O que espanta é ver esquerdistas-pollyanna caírem nessa.


História que se repete
Mesmo porque não se trata de novidade: procedimentos similares se deram inúmeras vezes antes, notadamente em relação a Lula e a tal Carta ao Povo Brasileiro, nas eleições vitoriosas de 2002: os jornais, tietes de FHC como ora o são de Serra, pintavam Lula como a encarnação da instabilidade e o inimigo dos mercados. Ao assinar o tal documento, no qual se comprometia com a estabilidade, o controle da inflação e o rigor fiscal, o hoje presidente passou a ser caracterizado pela mídia como um “vendido”, um traidor do projeto petista – e setores da esquerda, para variar, compravam acriticamente tal caracterização, quase provocando uma cisão em uma campanha destinada à vitória. Uma das raras vozes sensatas foi a do economista José Paulo Kupfer, que, ao contrário da manada na mídia e na esquerda, analisou criteriosamente o documento, concluindo que, a rigor, nada nele havia que impedisse ou mesmo constrangesse a implementação das políticas econômicas de cunho social que o PT sempre defendeu.

Pois, vamos aos fatos: a Carta ao Povo Brasileiro representou a adesão do governo capitaneado por Lula ao neoliberalismo? Impediu que se expandisse para um nível muito além do receitado pelo Consenso de Washington os programas de distribuição de renda que revolucionaram o país, criaram uma nova classe média e tiraram mais de 30 milhões de pessoas da pobreza? É evidente que não.


O inimigo é Serra
Mutatis mutandis, é o que acontecerá com o acordo de Dilma com os religiosos: longe de ameaçar o estado laico, como berram os mais alarmistas – mesmo porque é o Legislativo e não o Executivo quem pode efetuar mudanças nessa área -, trata-se, simplesmente, de um gesto de boa vontade e de reconciliação, num momento extremamente delicado da campanha, em que, pela primeira vez na história recente do país, a manipulação religiosa - via boatos - está sendo utilizada de forma massiva, açulando o ódio e evidenciando o despudor, o desapego, aqui sim, ao princípio do estado laico, além da desmedida sede de poder de José Serra, encarnação do que de pior pode acontecer ao país.

A hora não é de sedição, mas de calma, união e de sair às ruas – mais do que ficar atrás da tela do computador - apoiando a continuação de um governo popular e de satisfação dos anseios sociais secularmente reprimidos pelo conservadorismo brasileiro, que novamente mostra suas garras, involuntariamene auxiliado por soi-disant esquerdistas.


(Foto do comício em Joinville retirada daqui)

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Marina e o segundo turno

Em um post no qual faz balanço e prognósticos do “fator Marina”, Idelber Avelar propõe, para fins analíticos, uma divisão esquemática dos votos recebidos pela candidata verde: 1) o voto estritamente marinista, verde, ecológico; 2) o voto "ético"-jovem-universitário-profissional-liberal-urbano, uma parte dele (a maior, me parece) composta por desiludidos com erros ou presepadas do PT, e a outra parte (menor, me parece) composta por eleitores movidos pelo episódio Erenice; 3) o voto evangélico.

Essa divisão é o aspecto que mais me atrai no artigo, que de resto soa a mim quase como uma peça oficial da intelectualidade petista – se esta tivesse intelectuais públicos do quilate, da projeção e da capacidade de produção de Idelber Avelar -, que estrategicamente sobrevaloriza Marina por conta da necessidade de conquistar parte de seu espólio eleitoral.

De qualquer modo, na tal tríplice divisão, a “novidade” Marina advém dos dois últimos estratos, que, no último mês, tiraram a candidata verde dos quase 10% em que se manteve por 13 meses e levaram a eleição para o segundo turno, ressuscitando José Serra.


Voto estético
Dos três estratos marinistas, o voto “ético”-classe média me parece o mais refratário tanto a uma cooptação por parte de José Serra quanto, em maior grau, por Dilma Rousseff: é um voto estético, na acepção pobre do termo - um voto “fashion, descolado” como apontou Hildegard Angel no imediato pós-apuração; um voto Caetano Veloso, diria eu.

É, portanto e ainda, um voto reativo, anti-establishment político, de cidadãos e cidadãs particularmente suscetíveis ao discurso neoudenista, que tanto interessa à direita. Para os que o proclamam, Marina representa uma outsider, ainda não corrompida pela “sujeira” da política oficial. Nesse sentido, por paradoxal que pareça, a figura com a qual ela mais se aproxima, na história das eleições presidenciais brasileiras, é com Fernando Collor: só que o que antes era um playboy nordestino com “aquilo roxo” e à caça de marajás hoje é uma cabocla amazonense, nos trajes étnicos do multiculturalismo e cheirando a Natura.

Corroboram as impressões elencadas nos dois últimos parágrafos o fato de que todas as pessoas que conheço pessoalmente e que se encaixam nesse voto o proclamam da mesma maneira: salientando, a um tempo, a “independência” da candidata Marina e, com um tom de picardia que traz implícito a crítica à política convencional – leia-se PT versus PSDB -, a “elegância”, o “charme”, a unicidade da “figura fina” encarnada pela senadora acreana.

Esse estrato tende a dispersar-se ou diminuir tremendamente sua fidelidade a Marina à medida em que ficar evidente que o PV – de Zequinha Sarney, de empresários duvidosos radicados em Londres, e manietado por José Serra – é, para usar a linguagem que tanto os mobiliza, um partido tão corrompido como outro qualquer, a chafurdar na lama da política nacional.


A cartada religiosa
Já o voto religioso – que não é apenas em “evangélico”, haja vista a virulência com que os boatos anti-Dilma circularam e foram difundidos pela direita católica – obedece a outra dinâmica. Trata-se, essencialmente, o voto do medo, emprenhado pelas entranhas do conservadorismo brasileiro, se valendo, sem o mínimo pudor, da ignorância e da manipulação (se você assitiu a Terra em Transe, de Glauber Rocha, pense no personagem de Paulo Autran).

No que concerne a tal estratégia, é preciso reconhecer o drible que o serrismo deu na militância petista: enquanto esta, entrincheirada na blogosfera, aguardava uma “bala de prata” anunciada por dez entre dez “blogueiros sujos”, as igrejas e casas de culto dos subúrbios e das periferias eram literalmente tomadas por boatos - uma tática que, tanto na desfaçatez com que joga a incendiária carta da manipulação política da religião quanto na forma sorrateira de agir, sugere o modus operandi serrista, mesmo porque o PV não tem estrutura ou traquejo para empreender uma operação tão capilar.

Esses estratos religiosos são, no momento, as áreas potencialmente mais perigosas para a candidatura Dilma. Ela precisa reagir, não se deixar acuar pela histeria anti-aborto e, ao mesmo tempo em que repõe tal discussão em um âmbito institucional, não dogmático, que leve em conta posições religosas sem abrir mão do viés laico e relcionado a saúde pública, aproximar-se de forma coordenada das lideranças evangélicas e católicas, procurando ainda se dirigir, nos programas eleitorais, diretamente aos fiéis religiosos, de maneira franca e clara.

Aqui me parece necessário, uma vez mais, para evitar novas auto-lusões, salientar os malefícios do efeito-manada que o formato de militância virtual atual, açulada pelo twitter, tem provocado: ninguém, absolutamente ninguém foi capaz de detectar o enorme crescimento de Marina nos dois segmentos eleitorais que dobraram seus votos e levaram Serra – a maior ameaça pós-ditadura ao aprimoramento da democracia brasileira – ao segundo turno.


Batalha feroz
Enquanto uma Dilma surpreendida e um Serra rejuvenescido – e, como sempre, vitaminado pela mídia amiga – se digladiam, o foco se volta para Marina Silva, possível fiel da balança.

Se firmar aliança com José Serra, Marina vai valer o equivalente a uma nota de três reais no dia seguinte a sua eventual vitória: em primeiro lugar, porque Serra não cumpre acordos; em segundo, porque, cooptada pelo sistema político oficial, a candidata verde, sem o auxílio da manipulação religiosa, perde a aura de outsider.

Tal aura igualmente se desfaz se preferir se aliar a Dilma – a diferença é que a chance de que os acordos sejam cumpridos é maior.

A Marina interessa, portanto, manter-se alheia à disputa, preservando seu volúvel mas ora efetivo capital eleitoral – e, sobretudo, a aura de sua figura púbica, dividendo fundamental numa democracia tão afeita à pessoalidade e ao carisma quanto a brasileira.

O problema é que a opção por tal eqüidistância é pouco efetiva em termos partidários, já que Serra controla o PV, como, a despeito das ilusões marinistas, demonstrou de forma cabal ao levar uma eleição perdida ao segundo turno.
Agora ou a sabedoria política de Lula e a capacidade de mobilização da militância petista se manifestam ou o legado de desenvolvimento e inclusão da melhor Presidência que o país já teve pode cair no colo do neoliberalismo privatista.

sábado, 25 de setembro de 2010

Marina, a mídia e os eleitores

Ainda que explicado por dar sobrevida aos seus objetivos políticos - mantendo acessa, em fogo baixo, a possibilidade de segundo turno -, o contagiante entusiasmo da mídia por Marina Silva nos últimos dias não deixa de ter algo de tristemente irônico e contraditório.

Não que a fascinação da mídia pela candidata verde seja inusitada: como tive oportunidade de demonstrar em um artigo acadêmico apresentado ao congresso da Compolítica em dezembro último – e depois, atualizado e reformatado, ao congresso da International Association of Media and Communicaton Research (IACMR), onde foi bem recebido por brasilianistas franceses -, deslumbre é o substantivo-chave para descrever a forma como as três principais revistas semanais cobriram a candidatura da senadora acreana no primeiro mês após ser anunciada.

Tal deslumbre “apoiava-se” numa única pesquisa, de metodologia altamente questionável, feita por um obscuro instituto e que sustentava que Marina largava contando com “de 12 a 14% da intenção de votos”; em editoriais repletos de wishful thinkings, que previam, em poucas semanas, o protagonismo da candidata; e numa completa repaginação do visual de Marina, que de temerária ecologista petista passou, num passe de mágica, a produto de ponta do marketing político (a platéia da PUC/SP foi às gargalhadas quando eu mostrei, lado a lado, as fotos que Veja, IstoÉ e Época publicavam dela quando era ministra e os verdadeiros editais de moda – num deles, com Marina pousando de terninho em um bosque, sob luz trabalhada – que tiveram lugar tão logo ela anunciou ser candidata).


Longa hibernação
Porém, depois desse entusiasmo inicial veio uma longuíssima, aparentemente interminável, fase de estagnação, durante a qual nenhuma das alvissareiras previsões da grande mídia para sua candidatura se cumpriu: ela parecia incapaz sequer de alcançar os dois dígitos.

Na penúltima sexta-feira, no entanto, após mais de um ano de estagnação, Marina conseguiu superar tal barreira psicológica, atingindo 11% das intenções de voto segundo o Ibope - instituto cujas pesquisas, como as do Datafolha, têm despertado suspeitas e acusações. Uma semana depois, a acreana subiu mais dois pontos. Com 13% dos votos, continua a anos-luz de Dilma Rousseff – que, de acordo com o mesmo instituto, tem 55%, ou seja 43 pontos a mais – e mesmo de José Sera, com 31%.

Acontece, porém, que o cálculo que interessa à oposição e à mídia – que neste momento são, com raríssimas exceções, uma coisa só – é que Dilma teria, agora, 9% a mais de votos do que a soma de seus adversários – cinco pontos a menos do que tinha a semana passada. Como se sabe, se a soma dos votos dos adversários superar o número de votos de Dilma haverá segundo turno.

Desnecessário identificar que vem daí o renovado entusiasmo da mídia por Marina Silva – da mesma mídia que sempre a tratou como uma entidade política anacrônica, incompetente, “aferrada ao passado” (Leonardo Attuch ,em 2009, na IstoÉ), capaz de diagnósticos “dolorosamente temerários” (André Petry, em 2008, na Veja).


Sob a mira da história
Será uma lástima e uma triste ironia se Marina Silva, com a belíssima história de vida que tem e com a dignidade que por tanto tempo fez por merecer, venha efetivamente se prestar a esse triste papel de servir tão-somente como alavanca à pior direita, dando sobrevida ao moribundo José Serra – o político mais nocivo e potencialmente perigoso à democracia brasileira desde a abertura política, como as baixarias de sua campanha corroboram.

É preciso, neste momento, que aqueles dentre os eleitores de Marina que realmente prezam pelo futuro do país e pela evolução da sociedade em termos sociais e democráticos reflitam acerca das conseqüências colaterais de seu voto. Ele certamente não elegerá Marina, mas pode servir para encerrar uma era de acelerada inclusão social - em que mais de 30 milhões saíram da pobreza -, de projeção internacional do Brasil e de aprimoramento do diálogo com a sociedade,substituindo-a pelo retorno à insensibilidade social neoliberal, à subserviência colonizada aos EUA e ao descolamento entre governo e sociedade civil que caracterizam as administrações tucanas.

Os eleitores de Marina estão prontos para assumir o ônus desse retrocesso?

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

O grito dos desesperados

O expressionismo foi um movimento surgido no final do século XIX, interessado em denunciar o estado psicológico de uma sociedade em que professores, alunos e qualquer um que protestasse, mesmo pacificamente, era surrado pela polícia a mando do governador.

Nascido na confluência da psicanálise e do darwinismo, interessava também ao expressionismo o retrato, em pinceladas fortes e tons escuros, da neurose urbana de uma época marcada pela aceleração do tempo - a não ser na Vila de São Paulo, onde blusas misteriosas faziam o Metrô parar, obriando as pessoas a caminhar sobre os trilhos.

Encimando este post está aquele que costuma ser considerado o quadro expressionista mais famoso: "O Grito", de Eduardo Mänco. Como podemos observar, a obra retrata o desespero (existencial, mental, eleitoral) do ser humano ante as agruras da existência: a solidão, a implacável passagem do tempo, a lata de lixo da história pressentida.

Perfaz, ainda, uma denúncia da perda de auto-respeito e da noção de decência que atinge o homem, premido pela certeza da surra eleitoral iminente, digo, do fantasma da morte sempre presente.

Durante décadas, críticos de arte do porte de Arnold Hauser e E. M. Gombrich vêm debatendo o impressionante quadro, perscrutando a origem da horrenda figura que o protagoniza, o sentido do dedo branco sobre sua cabeça, a apontar à direita - e, sobretudo, inquirindo-se sobre a função e a identidade do homenzinho que acena, ao fundo, na ponte.

O expressionismo, mais do que um movimento artístico, torna-se, no decorrer do século seguinte, uma tendência estética recorrente - já foi usado até para o Lobão apelar ao marketing da bandidagem para tentar vender disco. Teve, ainda, um auge cinematográfico, no cinema alemão dos anos 20, com uma profusão de temas como vampirismo, loucura, ditadores crueis. Estes, segundo o crítico Siegfried Kracauer, representariam uma prefiguração de Adolf Hitler e denotariam a ânsia de parcelas da sociedade alemã por um poder tirânico.

Mas isso, felizmente, foi há muito tempo atrás, quando o golpismo envenenava as instituições, açulado por uma mídia venal. Hoje, nada disso ocorre.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

O golpismo em plena gestação

Recebo de um querido amigo, que sempre me pareceu apolítico e a quem, para minha grande alegria, reencontrei depois de anos, a mensagem-corrente que reproduzo a seguir. Intitulada "ONDE ESTÃO "AS MENINAS DO JÔ"? NÃO DEIXE DE LER".

Ela explicita o grau a que chegou o desespero eleitoral e a falta de escrúpulos da oposição. O texto está entre aspas e meu comentários em amarelo.

"LEIA, REFLITA E ENCAMINHE ESTE DEPOIMENTO A TODOS OS SEUS CONTATOS, POR AMOR AO BRASIL.

A COISA ESTÁ FICANDO PRETA. PATRULHAMENTO GERAL

O primeiro jornalista a sofrer cerceamento do direito de bem informar, em consequência dos seus verdadeiros, contundentes e procedentes comentários contra os desmandos do atual governo, foi o Boris Casoy. De acordo com o noticiário da época, ele foi demitido a pedido do próprio Lula."

De início achei que se tratasse do episódio dos garis - em que foi Bóris, após dar provas e seu apreço pelos menos favorecidos, quem pediu para sair -, mas não: refere-se à demissão da Record, em abril de 2006. Segundo a extremamente confiável opinião do próprio Casoy, ela teria ocorrido a mando de José Dirceu. Provas, indícios? Nadica de nada.
Agora, me explica uma coisa: se o governo conseguiu que Casoy fosse demitido da Record, porque deixaria que ele fosse contratado em seguida pela Band, empresa muito menor e mais fácil de pressionar?

"Entretanto aos olhos dos menos atentos, a coisa vem se agravando de maneira avassaladora e perigosa, senão vejamos: O Programa do Jô tirou do ar (sem dar qualquer satisfação ao público)o quadro "As Meninas do Jô" que era apresentado às quartas feiras onde as jornalistas Lilian Witifibe [sic], Ana Maria Tahan, Cristiana Lobo, Lúcia Hippólito e, por vezes, outras mais, traziam à público [sic] e debatiam todas as falcatruas perpetradas por essa corja de corruptos que se apossou do país."

Deixa eu ver se entendi: o fato de Jô Soares, notório entusiasta da administração petista, não ter dado satisfação ao público por retirar do ar um debate tão profundo e isento é sinal de autoritarismo de Lula? Ô, Jô, deixa de ser comunista, rapaz.

"As entrevistas sobre temas políticos não têm sido mais levadas a efeito atualmente.
Virou um programa de amenidades e sem qualquer brilhantismo".

Não sei a que canais o brilhante redator assiste, mas desconfio que ele se refere ao programa do Serra.

"O jornalista Arnaldo Jabor, considerado desafeto pelo governo atual, vem sofrendo, de forma velada e sistemática, todo tipo retaliação. Já foi processado, condenado, amordaçado e por aí vai".

Amordaçaram o Jabor? Têm certeza de que não foi algum fetiche mais intenso do rapaz? E quer dizer que o cara foi processado, condenado e... AMORDAÇADO - por quem mesmo? - mas a retaliação é "velada"? Imagino o que aconteceria com o coitado se a retaliação fosse explícita.

"Sua participação diária, às 07:10 na Rádio CBN tem se limitado a assuntos sem a relevância que tinha, haja vista que está impedido de falar sobre assuntos que envolvam a política nacional e o atual governo".

Impedido por quem? (deixa eu tentar adivinhar: pelo Lula, que manda também na Globo?) Por que só ele teria se calado e os outros continuam descendo a ripa? Será que não foi a iminência de uma surra vexaminoa da oposição que o teria feito perder a voz? (Até Arnaldo Bloch, "coleguinha" de O Globo escreveu uma coluna desabfando que não aguenta mais o pessmismo do ex-maior cineasta do Brasil (ele tem mais de 1,90m...)).

"A jornalista Lúcia Hippólito, que tinha uma participação diária, às 07:55 hs na Rádio CBN, não está mais ocupando o microfone da emissora como fazia e nenhum comunicado foi feito pelo âncora do horário, o jornalista Heródoto Barbeiro. Sorrateiramente, colocaram-na como âncora em outro horário, onde enfoca matérias mais amenas e sem a habitual, verdadeira e procedente contundência".

Enfim o Émile Zola de Belfort Roxo deu uma dentro: "puseram" a Lúcia na geladeira, como retaliação à reação dela contra o blogueiro da Veja. E quem é o patrão do blogueiro da Veja mesmo?

A tempo: e sobre a derrubada do Herótodo da bancada do Roda Viva, nem uma palavrinha?

"Diogo Mainard [sic], da Revista Veja, além de processado, vem sofrendo várias ameaças de morte por parte do jornal do MR-8 (que faz parte da base aliada ao Lula) e de integrantes dos chamados "Movimentos Sociais".

Processado? Mas que absurdo! Onde está o Estado Democrático de Direito? Como pode um jornalista, por expor de forma equilibrada e bem-fundamentada suas opiniões, sem JAMAIS incorrer em ataques pessoais, ser PROCESSADO? Mesmo que ele eventualmente se exaltasse (afinal, ninguém é de ferro) não poderia ser processado, pois a imprensa está acima a lei, não é mesmo?

O autor não dz, mas o jornalista Paulo Henrique Amorim, que processa Mainardi, certamente está agindo a mando de Lula, tá na cara, nénão?


"O jornal "Estadão" de São Paulo está sob forte censura governamental há pelo menos 300 dias. Pelo que se vê, Fidel Castro está fazendo escola na América do Sul. O primeiro a colocar em prática estes ensinamentos, aniquilando o direito de imprensa foi Hugo Chaves [sic, foi sem querer querendo], e pelo andar da carruagem o nosso PresiMENTE está trilhando pelo mesmo caminho."

Nossa, fiquei sem palavras ante tamanho autoritarismo. Manter um processo em sigilo de justiça, impedindo que se publique informações é coisa de país atrasado, como a Inglaterra e a Alemanha. E a culpa pela decisão da Justiça é, naturalmente, de Lula (aliás, PresiMENTE foi ótimo, você deveria se candidatar a redator do Casseta & Planeta).

Quanto a ANIQUILAR direito de resposta, o Gilmar Mendes, digo, o Chávez é mesmo um MONSTRO!

"Constitucionalmente:
Onde está o ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO?

Onde está o
LIVRE DIREITO DE MANIFESTAÇÃO?

Onde está a
LIBERDADE DE EXPRESSÃO?

Onde está a
LIBERDADE DE UMA NAÇÃO?"

Aqui tinha um poema do Afonso Romano de Santanna sobre a mentira. Mas, em respeito ao poeta - que não tem nada a ver com o peixe -, o suprimi.

"ESSE TEXTO DEVE-SE TRANSFORMAR NA MAIOR CORRENTE QUE A INTERNET JÁ VIU, PARA QUE, NA ÉPOCA DAS ELEIÇÕES CONSIGAMOS FREAR A ESCALADA DO MAL!!!

ACORDA BRASIL, ENQUANTO É TEMPO, E REAJA".

Enfim - e agora falando sério - , o pseudo-sub-olavo de carvalho e eu concordamos em alguma coisa: acorda, Brasil, contra os manipuladores baratos, que não hesitam em lançar mão de calúnias e deturpações para divulgar suas convicções políticas.

Desperte, Brasil, contra os que atribuem até a autoria de atos sabidamente perpetuados por seu líder a Lula e à Dilma.

Erga-se, Brasil, contra aqueles que, numa era em que a imprensa negligencia os fatos e suas diversas interpretações e, assumidamente, faz o papel da oposição, difamando a granel e aplainando o terreno para o golpismo, tentam manchar a liberdade e a democracia vigentes.